skip to Main Content
(+351) 933 371 926 geral@osenhordobanco.pt

Vai comprar casa? Veja 3 passos que o irão ajudar a conseguir as melhores condições

Vai Comprar Casa? Veja 3 Passos Que O Irão Ajudar A Conseguir As Melhores Condições

A compra de uma casa está na “lista dos sonhos” de muitos portugueses, e é sem dúvida uma das decisões mais importantes que tomamos na vida. Não é, ou pelo menos não deveria ser, uma decisão tomada de um dia para o outro. Para que esse grande passo seja mais leve, pode construir um plano financeiro e preparar-se devidamente. Dessa forma, além de ultrapassar o processo com mais confiança, pode assegurar que consegue as melhores condições para o seu crédito habitação.

Para o ajudar nesse plano, destacamos 3 pontos essenciais para a conquista desse sonho:

1. Estruture o seu orçamento mensal;

Você sabe quanto gasta por mês? E quanto diz respeito a despesas fixas e variáveis?
Muitas pessoas sabem quanto ganham, mas não sabem em que gastam. Este
descontrolo, faz com que por vezes dependam do chamado “crédito fácil”, para chegar ao fim do mês. Isto pode mudar com planeamento e organização financeira.

Assim, a primeira atitude a tomar é organizar o seu orçamento mensal, separando as despesas fixas (habitação, alimentação, transportes, educação, etc) das despesas variáveis (que são as despesas que se tem ao longo do mês com os gastos do dia-a-dia, restaurantes, lazer e etc).

Só conseguimos controlar o que está apontado e bem organizado. Ter esses gastos sistematizados, seja com o auxílio de algum meio eletrónico ou papel, ajuda-o a perceber para aonde vai o dinheiro e assim, notar quais desses gastos são prioritários e quais são dispensáveis e que podem ser substituídos, ajudando-o a encaminhar esses recursos para o objetivo da compra da casa.

2. Diminua os encargos com outras prestações;

Ter o orçamento familiar organizado e as despesas devidamente identificadas, pode não ser suficiente se tivermos muitos outros pequenos empréstimos. A facilidade com que se subscrevem todo o tipo de cartões de crédito microcréditos, pode colocar em causa as condições de aprovação do Crédito Habitação. Não ter nenhum crédito pessoal, mas ter 5 cartões de crédito utilizados, mais o crédito do computador e da máquina de lavar,
pode agravar o seu risco de crédito e fazer com que o seu crédito habitação seja recusado, ou penalizado no spread.

É importante ter uma reserva de capital, mas também é essencial que tenha capacidade para obter mais uma responsabilidade de crédito, (habitualmente a maior) ou o processo será recusado. Assim, quanto menos prestações melhor, sendo a opção mais desejada não haver nenhuma prestação quando for pedir um crédito habitação.

Para chegar a esse ponto, de não possuir prestações, poderá começar a poupar uma parte do seu rendimento líquido, ou aproveitar parte do subsídio de natal ou férias e amortizar/liquidar as suas responsabilidades até conseguir que elas estejam extintas, ou pelo menos diminuídas. Além de melhorar a sua situação perante aos Bancos, também serão feitas poupanças, pois habitualmente essas prestações têm juros muito elevados.
No limite, se tiver muitos créditos e não tiver capacidade de os amortizar
individualmente, analise a possibilidade de fazer uma consolidação de créditos, reduzindo os seus encargos mensais e libertando capital para a tal poupança.

3. Poupe dinheiro até conseguir capital para a entrada e para os custos;

Primeiro e segundo passo concluídos, orçamento mensal devidamente estruturado e é hora de definir um valor mensal para colocar de lado para a tão desejada compra de casa.

Desde 1 de julho de 2018, o Banco de Portugal, aplicou uma medida que limitou o valor que um banco pode financiar para a compra de um imóvel. Atualmente, os Bancos só podem emprestar até 90% do valor de aquisição do imóvel, (no caso de Habitação Própria Permanente).

Atualmente, o comprador necessita ter no mínimo, 10% do valor de aquisição do imóvel desejado. Para além deste valor, deve considerar ainda que necessita de juntar mais dinheiro para todos os custos envolvidos com o processo. Este valor varia consoante o valor do imóvel que irá comprar, pelo que, o ideal será estipular um valor máximo, (150.000€, por exemplo) e pedir uma simulação de crédito habitação para perceber quanto serão esses custos, relativos aos valores que tem em mente.

Atingido este objetivo, já tem o valor mínimo indispensável para começar a procurar casa, no entanto, quanto mais conseguir juntar, maior será o seu poder negocial junto dos Bancos e mais facilmente conseguirá melhorar as condições do seu crédito habitação. Essas condições mais favoráveis, podem muito bem resultar em poupanças de milhares de euros que irão compensar todo o esforço que fez a poupar.

Concluídos estes três passos, já fez a sua parte e deixe o resto connosco, O SENHOR DO BANCO ajuda-o a encontrar a melhor solução.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *