skip to Main Content
(+351) 933 371 926 geral@osenhordobanco.pt

Dia Mundial da Poupança

Dia Mundial Da Poupança

Esse artigo é para si, que chegou ao final do mês, consultou o seu saldo bancário pela manhã, não sabe onde foi parar o ordenado e que agora está a rezar para que o primeiro dia útil chegue a correr. O SENHOR DO BANCO, inspirado pelo Dia Mundial da Poupança, traz algumas dicas para o ajudar a retomar o controlo da situação e chegar ao final do mês descansado. É provável que, se não se revê nesta situação todos os meses, conheça alguém que passe por isto e mesmo que, não ocorra diretamente consigo, esse artigo trará dicas que também poderão ser valiosas, afinal dicas para gerir bem o nosso dinheiro nunca é demais, por isso não deixe de ler até o fim!

#Dica 1 – Gaste menos do que ganha! 

Sabemos que essa dica parece um pouco óbvia, porém se assim fosse não veríamos pessoas que estão sempre a reclamar de já não ter dinheiro a meio do mês e a endividar-se com pagamentos fracionados, cartões e outros tipos créditos. Posto isto, percebemos que essa orientação não é assim tão óbvia quanto possa parecer e como tal, merece ser a primeira e com destaque, tendo em vista que, o hábito de gastar menos do que se ganha, quando se ganha pouco, também o irá acompanhar quando começar a ganhar mais. 

Pense em quantas pessoas você conhece que dizem que o problema não é o gasto e sim o valor do ordenado que é curto?! Na verdade, esse não é necessariamente o problema, o problema é que não há controlo financeiro dos recursos que se ganham, sejam eles muitos ou poucos (sim, porque há muitas pessoas com bons ordenados e com grandes dificuldades financeiras, devido a uma descontrolo com o dinheiro assim como há famílias com ordenados mínimos que que controlo conseguem ter uma vida perfeitamente estável). Perceba que o seu consumo está sempre relacionado com o seu ordenado e que haverá sempre coisas que gostava de comprar, mas que o seu rendimento, para já, não lhe permite. Ou seja, se começar a ganhar mais e continuar sem um controlo e um bom hábito em relação aos gastos, continuará a endividar-se e acumular créditos que no limite podem vir a não ser cumpridos e se chegar a essa fase, tudo se tornará cada vez pior, numa “bola de neve” cada vez mais difícil de parar. 

Assim sendo, a primeira dica é mudar o seu hábito de gastar tudo o que ganha e gastar menos do que ganha, até porque se gastar menos do que ganha não terá um ataque de pânico, cada vez que olhar para o seu saldo bancário e corre menos risco de ficar sobre endividado e agravar ainda mais a sua situação financeira. Para que consiga colocar essa dica em prática vamos à próxima dica:

#Dica 2 em 1 – Planeamento e Controlo

Geralmente sabemos o quanto ganhamos (não fique surpreso, mas há quem não saiba), porém o quanto gastamos e no que gastamos, na maioria das vezes, apenas supomos como foi feito. Por exemplo, acreditamos que gastamos um valor X no supermercado, quando na realidade gastamos mais e nem vemos, e fazemos isso nas compras, no café, no lazer e em outros gastos rotineiros que temos devido à falta de controlo. Na maior parte dos casos, as pessoas sabem as contas mais caras como, renda ou prestações do crédito habitação, do carro, água, luz e etc. Entretanto, o restante gasta-se e nem se nota.

Para melhorar esse controlo financeiro e conseguirmos atingir a #Dica 1, devemos antes de mais, criar um orçamento. De forma prática, organizar num ficheiro de excel, numa aplicação, num caderninho ou em qualquer outro meio que ache melhor, o valor que você ganha e fazer uma lista de todos os seus gastos:

  • Primeiro colocamos os gastos fixos (renda, prestações do crédito habitação, contas de consumo…) e depois adicionamos uma lista para os gastos variáveis que são: alimentação, lazer, compras … 
  • Após fazer essa lista, devemos apontar os valores de cada item. Os gastos fixos são mais fáceis pois já temos os valores, os gastos variáveis teremos que estimar. Para esta estimativa, apoie-se nos extratos bancários dos meses anteriores. Veja quando gastou em compras no supermercado nos últimos meses ou outros gastos variáveis e faça uma estimativa para o próximo, colocando os valores em cada categoria, como “restaurantes”, “alimentação”, “despesas escolares”, “combustível”, etc. 
  • Agora que já temos o valor disponível – o quanto ganhamos, e como vamos gastá-lo, (lista de despesas), fazemos o balanço para saber o quanto vai sobrar. Perceba que essa simples atitude de organizar o seu orçamento fará com que você veja o caminho que o seu ordenado está a fazer e com isto terá maior controlo a propósito das suas escolhas. É muito provável que até ache que possa diminuir o orçamento em alguma categoria e então comece a poupar. 
  • Agora, com o orçamento em mãos você vai precisar apenas de controlar essa estimativa. Todas as vezes que efetuar algum gasto deve atualizar o seu orçamento, verá que ao conquistar esse hábito de anotar e controlar os seus gastos, saberá exatamente como está a gastar e voltará a ter domínio das suas escolhas e poderá optar por não gastar em algo que não é assim tão necessário.

#Dica 3 – Poupe antes de gastar!

A dica 3 é para quem já tem a situação mais controlada e que já domina as duas anteriores. Poupar antes de gastar é o que deve fazer se quiser ter sempre um montante de lado, seja para ser investido em alguma coisa que queira, ou apenas por querer ter uma segurança financeira. Nesse sentido você pode seguir o 15-35-50. Nessa regra ao receber o seu ordenado (não importa o quanto!), você poupa 15%, tem disponível 35% para os gastos variáveis e paga os seus custos de sobrevivência com 50% do seu ordenado. Note que, essa regra pode ser seguida com qualquer valor de ordenado tendo vista ser uma percentagem! Se no limite não conseguir os 15%, faça 10% ou menos, mas não deixe nunca de poupar alguma coisa. Pode poupar menos nos meses “normais” e compensar nos meses com subsídios, por exemplo.  

A ideia será ter sempre dinheiro poupado e usar o restante para poder viver o resto do mês, adequar o seu padrão de consumo dentro das suas capacidades e assim viver com mais qualidade e sem preocupações financeiras. 

Gastar menos do que ganha tem como fim a poupança, que lhe permite ter mais oportunidades, pois muitas vezes o facto de ter dinheiro de lado, pode permitir-lhe aproveitar certas possibilidades ou dar-lhe mais tranquilidade para ter uma reforma mais confortável, ou qualquer outra opção, afinal o dinheiro é um meio de troca, é um recurso que se transforma em quase tudo que você quiser. 

This Post Has One Comment
  1. Olá!
    Venho parabenizar este texto fantástico e tão necessário nos dias de hoje, em que as facilidades de crédito são grandes, principalmente para gastos pequenos, e nesta sociedade em que o consumo constante impera.
    Gostei muito da dica do 15-35-50.
    Vou aplicar em meu orçamento!
    Uma boa semana,

    Lia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *