skip to Main Content
(+351) 933 371 926 geral@osenhordobanco.pt

Ano novo, vida nova! Vamos poupar no Crédito Habitação?

Ano Novo, Vida Nova! Vamos Poupar No Crédito Habitação?

Estamos no início de um novo ano e esta é a altura ideal para rever todos os serviços que temos contratados para perceber onde podemos poupar. Esse é um exercício que também deve ser feito para o seu crédito habitação! O financiamento de um imóvel é um produto do banco e o preço (spread) é a taxa de juro que esse banco cobra. Assim é aconselhável manter-se informado e comparar com os bancos concorrentes se há alguma proposta mais competitiva, e caso exista, opte pela transferência do crédito habitação e com isto pode poupar até milhares de euros. 

A transferência do crédito habitação é que uma opção que todos os clientes possuem ao fazer o financiamento de um imóvel. Serve precisamente a todos que já têm um crédito, mas que estão insatisfeitos com o seu banco ou que simplesmente pretendem encontrar vantagens competitivas que remetam a melhores preços e / ou condições. Por exemplo, quem contratou o seu crédito habitação há mais de uma década, tem vindo a acompanhar a evolução do mercado, sendo que desde há vários anos que vemos as taxas descer, conforme consta do gráfico seguinte. Estas alterações ocorreram em grande medida, devido às flutuações da Euribor, mas também devido a alterações dos spreads praticados pelos Bancos e se no que diz respeito ao indexante, nada podemos fazer, já no que diz respeito ao spread, é nosso dever acompanhar o mercado e sempre que possível, procurar melhores soluções.  

Se o seu spread é de 1,5%, ou superior, já está desajustado do mercado e está por isso a pagar mais do que a banca cobra nos novos processos. É altura de fazer algo por si e começar a procurar alternativas. A grande maioria das vezes, a melhor solução é a transferência do crédito, sendo que existem entidades que suportam todos os custos de transferência, pelo que apenas a sua inércia o pode estar a afastar da poupança. Se não sabe quais os Bancos para onde pode transferir o seu crédito, não se preocupe, pois nós sabemos e podemos ajudar, fale connosco e poupe milhares de euros. 

O processo para a transferência do crédito habitação é um novo processo de financiamento para o banco que está a receber a transferência, dessa forma o processo pode ou não ser aprovado. Certifique-se que tem efetivamente as condições para solicitar essa transferência, pense como se fosse pedir um crédito habitação novo e enquadre-se no que lhe seria pedido, estabilidade no emprego, recibos de vencimento, IRS, documentos válidos e etc. Por vezes, pode ser pedido reforço de garantias, fiadores por exemplo, no entanto, esta é também uma oportunidade para deixar de os ter, caso as suas condições atuais sejam mais favoráveis do que as que tinha quando contratou o crédito. 

Além do spread, associado ao seu contrato, deve sempre perceber todas as restantes condições: os custos totais envolvidos, seguros obrigatórios e  essencialmente quais os custos associados à transferência de crédito, (pois nem todos os Bancos suportam estes encargos e alguns apenas o fazem parcialmente). Por norma todas essas informações encontram-se na simulação do seu crédito habitação – FINE

É importante realçar que desde 1 de Julho de 2018, o Banco de Portugal, impôs um limite de financiamento máximo de 90% do valor de aquisição do imóvel, (no caso de habitação permanente), pelo que, pessoas que compraram as suas casas um pouco antes desta data, ainda podem não ter tido de dar os 10% de entrada, que atualmente são obrigatórios. Porém se quiserem efetuar uma transferência antes de concluir o prazo mínimo de 2 anos, desde a realização da escritura, terá de o capital em divida no momento da transferência, ser já inferior a 90% do valor de aquisição inicial, seja porque na aquisição deu uma entrada, ou porque desde essa altura tem vindo a fazer amortizações via prestação e extra contrato.  Caso contrário terá de efetuar uma amortização que cumpra este requisito, ou em alternativa, aguardar que passem 2 anos desde a escritura inicial e nessa altura esse pormenor já não é considerado. 

Um exemplo prático: Se o Pedro comprou uma casa antes das regras serem aplicadas (vamos supor, Maio de 2018) e teve financiamento a 100%, no valor de 80.000€, para efetuar uma transferência tem de ter amortizado pelo menos 8.000€ ou em alternativa, efetuar uma amortização extra contrato, que coloque a divida inferior a 72.000€. Em alternativa, poderá aguardar até Junho de 2020, de forma a poder efetuar a transferência do seu crédito sem esta preocupação. Por outro lado, a Cláudia, comprou casa em Agosto de 2018 e já nessa altura, teve de cumprir a obrigação de dar o mínimo de 10% de entrada. Assim, caso a Cláudia queira transferir o seu crédito hoje, poderá fazê-lo sem a preocupação do capital em divida. 

É igualmente possível pedir revisão de spread junto do seu Banco, mas habitualmente é mais fácil conseguir melhores condições por via da transferência, já que muitas das vezes, os Bancos propõe-lhe mais produtos pela descida do seu spread, como seguro de saúde, planos de poupança, etc. Não deixe de analisar as alternativas, já que há Bancos que suportam os encargos e você só tem o “trabalho” de abrir uma nova conta e fazer nova escritura, para depois começar a poupar.

Pode parecer um pouco complicado optar por uma transferência que realmente faça sentido e caso não esteja confortável em tomar uma decisão, entre em contato com O Senhor do Banco e conte com o nosso auxílio especializado e gratuito, estamos sempre à disposição para o ajudar a encontrar as melhores soluções!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *